Pgina Inicial  
revistas artigos autores noticias  
Página Inicial
Direcção e Redacção
Conselho de Redacção
Estatuto Editorial
Condições de assinatura para 2014 e 2015
Edições noutros países
Livrarias onde Adquirir
Publicações Communio
Nota Histórica
Ligações
Contactos
Pesquisa
Tema da Revista
Titulo do Artigo
Autor
Ano II • 1985-04-30 • nº 2 • Março/Abril
A criança
 
palavra-chave
 
   

artigos
“Deixai vir a mim os pequeninos”. Reflexão sobre o lugar da criança na Igreja • pág 109
Bedouelle, Guy
Hoje e aqui a criança • pág 127
Santos, Álvaro Miranda
Cultura e educação de infância • pág 141
Pereira, Fernando Micael
Pela defesa de uma identidade cultural na vida das crianças • pág 149
Soares, M. Isabel Mendonça
Aspectos evolutivos da religiosidade na criança. Opções pastorais • pág 156
Serralheiro, Deolinda
A educação da Fé nas crianças • pág 168
Rosa, Honorato
A Vigília Pascal • pág 175
Bragança Joaquim Oliveira
Fé e cultura para o ano 2000 • pág 181
Silva, Carlos Baptista da
Padre Manuel Antunes. A liturgia da palavra e da cultura • pág 186
Gonçalves, Joaquim Cerqueira
Construindo. Uma experiência de educação num bairro de lata • pág 188
Barbosa, Ana M.
Rosa, Elsa Cunha
Jardim, M. José
A transmissão da fé aos jovens. Experiência de uma pequena equipa Recensões • pág 194
Madeira, Rui


apresentação

MARIA C. BRANCO

Realiza-se hoje, em larga medida, uma transformação da família devido ao acesso das crianças a uma posição central no lar e ao direito que lhes foi reconhecido a uma existência particular, diferente da dos adultos e também daquela que esperamos deles. Isto depois de séculos em que apenas nos contentámos a tratá-los como adultos em miniatura, vestindo-os e pondo-os a trabalhar como tais. Embora hoje seja, comummente, reconhecido à criança o direito ao respeito da sua individualidade, do seu tipo de inteligência e da sua vocação, ainda existem desacordos sobre qual o lugar que devem ocupar na sociedade. Numa altura em que nalguns lugares do mundo a criança volta a ser negligenciada, seja pelo grande número dos que morrem à fome ou sofrem maus tratos, seja porque tornam, em muito lado, a ser encarados como mão-de-obra a explorar, porque mais barata, porque não reivindicativa, os católicos têm o dever de contribuir para uma reflexão séria sobre a infância. É neste sentido que a COMMUNIO dedica este número ao tema da criança. Dois artigos de ordem mais geral abrem o número: um primeiro pretendendo colocar teologicamente o problema do lugar atribuído às crianças dentro da Igreja, partindo da história do cristianismo (G. Bedouelle); um segundo fazendo uma reflexão sobre como deveriam ser aplicados alguns princípios da Declaração dos Direitos da Criança (A. Miranda Santos). A escola é complemento necessário da família e deve assumir uma função que tenha em vista a inserção na comunidade. É por isso fundamental o papel dos educadores de infância e do serviço que prestam. Chamam-nos a atenção para isso os dois artigos seguintes: um fazendo apelo a que os educadores tenham em conta a identidade cultural da sociedade a que as crianças pertencem, mantendo nelas bem vivas as tradições e ritos que são indispensáveis tanto à sua formação pessoal, como à sua construção enquanto comunidade (M. Isabel Mendonça Soares); o outro realçando os contributos importantes que a Antropologia cultural pode dar à formação dos educadores (F. Micael Pereira). Também aos educadores da fé é necessário, cada vez mais, o conhecimento da psicologia infantil em ordem a uma melhor compreensão das etapas de desenvolvimento da criança e de como cada uma delas, se deve desenrolar a educação religiosa. Nesse sentido foi seleccionado o artigo de Deolinda Serralheiro. Uma fé viva obedece ao crescimento dessa mesma fé, de maneira a tornar-nos mais aptos a viver no mundo. Como se processa esse crescimento na idade infantil é o cerne de uma reflexão do P.e Honorato Rosa, que recordamos, sendo a introdução ao seu texto referente à Escola Beiral, onde a sua ideia de educação está ainda bem presente. A propósito do falecimento do P.e Manuel Antunes (junto agora na morte ao P.e Honorato Rosa, como o foi muitas vezes na vida), publica-se um testemunho com o qual a COMMUNIO pretende homenagear a sua figura de homem da Igreja presente no mundo da cultura. Outros dois testemunhos são aqui apresentados, um referente à experiência de como acontece a educação numa creche dum bairro de lata, outro que reflecte o trabalho de uma equipa que tem a seu cargo a preparação da missa de domingo para gente entre os 7 e os 14 anos. Que evolução é previsível para o ano 2000 no quadro das relações Fé e Cultura é assunto apresentado, de forma esquemática, por um grupo de cristãos que exercem a sua actividade em diferentes sectores da cultura (Carlos Baptista da Silva e outros). Nesta quadra em que celebramos a paixão, morte e ressurreição de Cristo, o artigo de Joaquim O. Bragança recorda-nos a grande tradição judaico-cristã que nos dá a chave do sentido da Vigília Pascal.

 
  KEOPS multimedia - 2006