Pgina Inicial  
revistas artigos autores noticias  
Página Inicial
Direcção e Redacção
Conselho de Redacção
Estatuto Editorial
Condições de assinatura para 2014 e 2015
Edições noutros países
Livrarias onde Adquirir
Publicações Communio
Nota Histórica
Ligações
Contactos
Pesquisa
Tema da Revista
Titulo do Artigo
Autor
Ano VII • 1990-01-15 • nº 1 • Janeiro/Fevereiro
A Paróquia em renovação
 
palavra-chave
 
   

artigos
A paróquia em mudança. Perspectivas sociológicas • pág 005
Silva, Augusto da
A Igreja presente na cidade • pág 018
Janela, António
A função da paróquia num contexto cultural marcado pela divisão • pág 032
Pinho, Arnaldo Cardoso de
A paróquia sob a exigência da missão • pág 039
Pinho, José Eduardo Borges de
A paróquia como espaço de evangelização • pág 051
Pelino, D. Manuel
A integração da paróquia na pastoral diocesana • pág 065
Ribeiro, António
Movimentos e paróquias • pág 070
Simões, Idalino
Conselho pastoral paroquial como órgão de corresponsabilidade. Algumas reflexões • pág 075
Alves, D. João
Colóquios europeus de paróquias. Um esforço conjunto de renovação • pág 088
Castelhano, João
Projecto pastoral - Para uma nova imagem de paróquia. Uma experiência • pág 092
Soares, Lúcia


apresentação

JOSÉ E. BORGES DE PINHO

No 1º número deste ano a edição portuguesa da Revista COMMUNIO decidiu reflectir sobre a paróquia e seus caminhos de renovação. A escolha deste tema representa por si só um indicativo, a paróquia, apesar de todas as suas dificuldades e limites, não obstante todas as transformações que a envolvem e a interpelam, continua a ser o lugar elementar e normal da experiência cristã. Por isso mesmo ela enfrenta os desafios do presente como promessa de um futuro sempre novo. Escrevia João Paulo II na Exortação Apostólica Catechesit tradendae que “a paróquia continua a ser um ponto de referência importante para o povo cristão, e até mesmo para os não praticantes”, pelo que – acrescentava o Papa – numa linha de realismo e de prudência há que “dar-lhe de novo estruturas mais adequadas” e “um novo impulso” (Cf 67).
Neste fascículo a redacção da COMMUNIO pensou de modo muito particular na realidade portuguesa. Essa preocupação presidiu desde logo à escolha dos temas a abordar nos diversos artigos. Mas ela conduziu também a que, para a abertura deste número, tivessem sido convidados dois sociólogos. Procurou-se assim perscrutar a realidade da paróquia em Portugal, tendo em conta as mudanças que se vêm verificando no meio rural (Augusto da Silva) e os novos desafios pastorais que se lhe colocam em meio urbano (António Janela). Esta mesma tentativa de reflectir os novos contextos culturais que envolvem e condicionam a realidade paroquial manifesta-se no terceiro texto que aqui lhe oferecemos, da autoria de Arnaldo Cardoso de Pinho.
Em continuidade com esta preocupação de situar a paróquia face aos novos desafios que se lhe apresentam estão os dois artigos seguintes. Borges de Pinho procura sublinhar algumas das necessárias transformações de mentalidade e de prática pastoral que se colocam à medida que a paróquia toma consciência das exigências da missão. A mesma problemática, mas atendendo mais directamente às exigências da evangelização na vida interna paroquial, é reflectida por D. Manuel Pelino Domingues, que procura apontar alguns caminhos concretos de renovação da paróquia a partir das possibilidades nela existentes de evangelização e de busca da maturidade da fé.
Os artigos que vêm em seguida procuram abordar algumas das questões fundamentais do ponto de vista teológico e pastoral que têm acompanhado, por vezes não sem algumas tensões, o viver quotidiano das nossas paróquias. Está neste caso, antes de mais, a tarefa da integração da paróquia na pastoral diocesana, um tema que é aprofundado na sua criteriologia eclesiológica e nalguns relevantes indicativos práticos por D. António Ribeiro. Um outro âmbito de questões – a relação entre movimentos e paróquia – é analisado por Idalino Simões, que parte de uma experiência concreta para sublinhar uma exigência basilar de complementaridade na corresponsabilidade e suas consequências. Reflexão particular merece também a questão tão candente dos Conselhos Pastorais Paroquiais, um tema que D. João Alves desenvolve na sua fundamentação teológica, no seu enquadramento eclesial e nas atitu¬des práticas que pressupõe.
Na habitual secção de depoimentos procurou-se oferecer dois testemunhos sobre esforços de renovação da paróquia. Um deles, mais ao nível da reflexão teológico-pastoral, diz-nos – na palavra de João Castelhano – o que são os “Colóquios Europeus de Paróquias” e o dinamismo de renovação que procuram fomentar. Por sua vez e mais num âmbito de concretização pastoral, Lúcia Soares apresenta-nos o Projecto “Nova Imagem da Paróquia”, uma experiência que o Movimento por Um Mundo Melhor tem vindo a dinamizar em vários pontos do país.
Também na elaboração deste fascículo – e o leitor estará certamente de acordo connosco – sentimos que muito ficou por aprofundar e por dizer. Mas o mais importante será talvez a afirmação de esperança, que aqui fica, numa renovação de comunidades cristãs cada vez mais fiéis ao Espírito de Deus. Vale, afinal, também para a paróquia e suas estruturas aquilo que, numa perspectiva mais de ordem pessoal, dizia não há muito tempo Madre Teresa de Calcutá: o que importa, na consciência dos nossos limites e não obstante todas as dificuldades, é que saibamos ser a mão através da qual Deus escreve.

 
  KEOPS multimedia - 2006