Pgina Inicial  
revistas artigos autores noticias  
Página Inicial
Direcção e Redacção
Conselho de Redacção
Estatuto Editorial
Condições de assinatura para 2014 e 2015
Edições noutros países
Livrarias onde Adquirir
Publicações Communio
Nota Histórica
Ligações
Contactos
Pesquisa
Tema da Revista
Titulo do Artigo
Autor
Ano VI • 1989-08-30 • nº 4 • Julho/Agosto
O Milagre
 
palavra-chave
 
   

artigos
As acções poderosas de Jesus no testemunho dos Evangelhos sinópticos • pág 293
Stock, Klemens
O milagre da multiplicação dos pães. Significado e importância na vida de Jesus • pág 307
Potterie, Ignace de la
Sentido e realidade dos milagres de Jesus • pág 323
Verweyen, Hansjuergen
Nada é impossível para Deus • pág 332
Marion, Jean-Luc
Cura carismática • pág 348
Sullivan, Francis
Cristo e o encontro das civilizações • pág 355
Thomaz, Luís Filipe Rodrigues
A generosidade de Deus • pág 373
Guardini, Romano
A procura do milagroso • pág 375
Caldecott, Stratford


apresentação

M. ISIDRO ALVES – A. BIVAR WEINHOLTZ

Num tempo em que o progresso científico e tecnológico parece poder dar resposta às grandes interrogações com que desde sempre se debateu o espírito humano, suprindo deficiências no conhecimento de leis da natureza e de forças ocultas, começam a surgir no interior ou ao lado do Cristianismo movimentos esotéricos a fomentar a dimensão misteriosa e miraculosa da vida, em nítida reacção contra o positivismo e o cientismo contemporâneos e como alternativa ao Cristianismo institucional. Segundo pensam, no homem moderno esmoreceu a consciência e o sentido do miraculoso, que é o segredo perdido do Cristianismo. Só uma transformação da consciência, que a torne capaz de descobrir os milagres naturais, lhe elevará a experiência pessoal da Revelação. A discussão destas teses suscitou, sobretudo nas escolas filosóficas e teológicas dos Estados Unidos da America do Norte, novos e acesos debates sobre o conceito de "milagre", tornando-o num dos temas mais actuais e apaixonantes, não só no diálogo entre fé e ciência, mas também na procura da inteligência da própria Revelação. Efectivamente, após a Constituição "Dei Verbum" do Vaticano II, os milagres e as profecias têm sido considerados não tanto enquanto atestação da mensagem como sobretudo em relação directa com Cristo, plenitude de Revelação. Ele é o sinal por excelência, ao passo que os sinais particulares são o reflexo multiforme da sua epifania entre os homens, permitindo-nos assim identificá-lo como Filho de Deus. Por eles manifesta-se o poder e o domínio de Deus sobre o universo criado, designadamente sobre o mal, que foi vencido por Cristo, como atestam os relatos evengélicos sobre expulsões diabólicas, curas de enfermidades e ressurreições de mortos. Justifica-se bem, deste modo, que a COMMUNIO internacional tenha programado o presente número sobre o tema "O Milagre", tendo para o efeito convidado autores consagrados no campo da Filosofia, da Teologia Fundamental, da Exegese do Novo Testamento e da Pastoral. Apresentamos dois artigos dedicados a movimentos actuais com interesse pelo fenómeno miraculoso: "o New Age, a Nova Era" (S. Caldecott) e a "Renovação carismática" (F. Sullivan). Oferecemos também uma reflexão sobre o sentido e a realidade dos milagres de Jesus (H. Verweyen), e dois estudos sobre os milagres dos Evangelhos (K. Stock e I. de la Potterie). Registamos ainda a perspectiva de um filósofo sobre a possibilidade do milagre (Jean-Luc Marion) e a de um pastoralista, sobre o modo de utilizar os relatos dos milagres evangélicos na pregação (S. Van Calster).

 
  KEOPS multimedia - 2006