Pgina Inicial  
revistas artigos autores noticias  
Página Inicial
Direcção e Redacção
Conselho de Redacção
Estatuto Editorial
Condições de assinatura para 2014 e 2015
Edições noutros países
Livrarias onde Adquirir
Publicações Communio
Nota Histórica
Ligações
Contactos
Pesquisa
Tema da Revista
Titulo do Artigo
Autor
Ano III • 1986-12-31 • nº 6 • Novembro/Dezembro
A Família
 
palavra-chave
 
   

artigos
Permanência e mudança da família na sociedade de hoje • pág 484
Silva, Augusto da
A família na Constituição da República • pág 495
Melo, António Moreira Barbosa de
Equilíbrio afectivo da família e sexualidade humana • pág 501
Pinto, Helena Rebelo
A visão cristã da família • pág 511
Dias, Manuel Madureira
De um nascimento a outro • pág 528
Brague, Françoise
Comunidades de vida não matrimoniais e casamento cristão • pág 537
Lehmann, Karl
Prioridades de uma pastoral familiar • pág 547
Serrazina, José Mendes
A comunidade cristã face aos casos matrimoniais difíceis • pág 558
Ferreira, Faustino Caldas
Preparação para o matrimónio, caminhos do futuro • pág 563
Mota, António da Costa
Família e educação na sociedade de hoje • pág 569
Marinho, Casal Tato
Espiritualidade familiar • pág 572
Ramalheira, Alberto


apresentação

FAUSTINO C. FERREIRA – JOSÉ E. BORGES DE PINHO

Com o presente número – o último deste ano – a COMMUNIO oferece um conjunto de reflexões sobre o tema "A Família". A importância do tema não carece de especial justificação. As mudanças rápidas que se verificam em todos os sectores da vida repercutem-se e condensam-se também na família, emergindo aí às vezes ainda com maior virulência. E à estabilidade e segurança de outrora corresponde hoje, com frequência, a sensação de que a família está "em crise", de que pairam sobre ela "ameaças de destruição". De qualquer modo, e ao nível mais elementar, põe-se a pergunta pelo futuro da família: o futuro das relações e das estruturas que a constituem, do lugar que é chamada a ocupar na maturação da pessoa e na construção da sociedade. Investigações recentes indicam que, mesmo nas sociedades mais evoluídas da Europa, a família não ocupa um lugar marginal no interesse das pessoas. Pelo contrário, e não obstante mudanças na avaliação global e em aspectos pontuais, ela continua a ser vista e experimentada como um valor fundamental. E para a consciência crente, que lê os sinais dos tempos dentro duma confiança original que brota do saber-se inserida numa história de salvação, a pergunta pelo futuro da família é vista com uma grande esperança. A esperança de que, não obstante todas as transformações e sobretudo através delas, a família se conserve e se renove como algo indestrutível ao serviço da vida, da pessoa, da sociedade, como lugar privilegiado de experiência de Deus e de construção da Igreja. A complexidade e a abrangência do tema obrigaram, naturalmente, a fazer opções. Opções que obedeceram a três critérios principais: um ensaio de interdisciplinaridade na análise de aspectos da família; a apresentação da visão cristã da família; a proposta de alguns indicativos prático-pastorais. Dentro da linha interdisciplinar, o número abre com uma análise sociológica que sublinha a amplitude, o ritmo e a profundidade da mudança que afecta a família (Augusto da Silva). Na área do direito, e num breve apontamento, aborda-se o sentido da relação Estado-Família na estrutura constitucional portuguesa (A. Barbosa de Melo). A perspectiva psicológica está presente num estudo sobre a busca do equilíbrio relacional no âmbito familiar, marcado pela afectividade e pela sexualidade (Helena Rebelo Pinto). Como núcleo central deste fascículo apresenta-se um estudo teológico sobre a visão cristã da família e os valores que daí decorrem (M. Madureira Dias). Ao mesmo tempo sublinha-se que, à luz da fé, a vivência familiar supõe uma ultrapassagem, na abertura ao Último fundamento que a suporta e lhe dá o seu sentido definitivo (Françoise Brague). No mesmo horizonte de fundamentação teológica, mas já com uma referência a uma problemática pastoral específica (a existência de comunidades de vida não matrimoniais), sublinha-se o sentido e os valores do casamento cristão. A perspectiva pastoral domina os restantes contributos, a começar por um estudo sobre prioridades que devem orientar uma pastoral familiar nos dias de hoje (José Serrazina). Aparecem a seguir, e a concluir este número, quatro breves apontamentos ou depoimentos sobre desafios e tarefas de indiscutível actualidade: a atitude das comunidades cristãs face aos casos matrimoniais difíceis (Faustino C. Ferreira); a preparação para o matrimónio (A. da Costa Mota); a família face à tarefa da educação (Casal Tato Marinho); a espiritualidade familiar (Alberto Ramalheira). Os temas escolhidos e as respectivas abordagens têm, certamente, um carácter parcelar. Mas uma coisa ressalta de forma inequívoca nos diversos contributos: a esperança cristã relativamente à família e seu futuro confirma-se no compromisso concreto das pessoas e das comunidades.

 
  KEOPS multimedia - 2006